Livro: A Desconstrução de Mara Dyer
Autora: Michelle Hodkin
Número de páginas: 375
Editora: Galera Record – Ano de lançamento: 2013

Um grupo de amigos… Uma tábua ouija… Um presságio de morte. Mara Dyer não estava interessada em mensagens do além. Mas para não estragar a diversão da melhor amiga justo em seu aniversário ela decide embarcar na brincadeira. Apenas para receber um recado de sangue. Parecia uma simples piada de mau gosto… até que todos os presentes com exceção de Mara morrem no desabamento de um velho sanatório abandonado. O que o grupo estaria fazendo em um prédio condenado? A resposta parece estar perdida na mente pertubada de Mara. Mas depois de sobreviver à traumática experiência é natural que a menina se proteja com uma amnésia seletiva. Afinal, ela perdeu a melhor amiga, o namorado e a irmã do rapaz. Para ajudá-la a superar o trauma a família decide mudar para uma nova cidade, um novo começo. Todos estão empenhados em esquecer. E Mara só quer lembrar. Ainda mais com as alucinações – ou seriam premonições? – Os corpois e o véu entre realidade, pesadelo e sanidade se esgarçando dia a dia. Ela precisa entender o que houve para ter uma chance de impedir a loucura de tomá-la….

Em alguns momentos é inevitável ficar com receio de ler uma história que recebe inúmeras resenhas positivas, pois a expectativa para que ela seja muito boa é enorme. Com uma capa bem feita e uma premissa com mistério na medida certa, não consegui resistir aos encantos de “A Desconstrução de Mara Dyer”. Para um primeiro romance, Michelle Hodkin provou que sabe construir uma trama que surpreende o leitor a cada página lida, com um desfecho emocionante e uma paixão adolescente longe do clichê água com açúcar.

Após perder seu namorado Jude, a irmã dele Claire e sua melhor amiga Rachel em um desabamento, Mara Dyer tenta lidar com as consequências de ser a única sobrevivente de um acidente do qual ela não se recorda. Quando seus pais decidem mudar de cidade para que ela possa recomeçar a vida longe do julgamento de outras pessoas, Mara vê a possibilidade de poder agir como uma garota normal. O que ela não esperava é que, como sempre, coisas estranhas continuassem acontecendo ao seu redor.

Além de alucinações, alguns desejos que surgem em sua mente acabam se concretizando. Se ela deseja uma pessoa morta, e imagina a forma como isso vai acontecer, em poucos minutos o fato se torna real. Ela é o tipo de protagonista que faz com que o leitor sinta sua angústia por estar descobrindo coisas sobre si mesma que talvez nem sejam reais. Até que ponto algo pode ser apenas fruto de uma alucinação?

É esse mistério sobre a estranha personalidade da protagonista que me fez devorar o livro em questão de horas. A autora trabalha a questão do sobrenatural com naturalidade e sem exageros ao criar ambientes cheios de suspense combinados com um romance entre um badboy e uma adolescente considerada problemática por muitas pessoas.

A Desconstrução de Mara Dyer é um livro que não só cumpre todas as promessas de uma trama extremamente envolvente, mas faz com que você fique aguardando ansiosamente pela continuação, que tem lançamento previsto para o primeiro semestre de 2014 pela editora Galera Record.

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©

Livro: Esc@ndalo
Autora: Therese Fowler
Número de páginas: 384
Editora: Novo Conceito – Ano de lançamento: 2013

Amelia Wilkes tem um pai rigoroso que não permite que ela namore, mas isso não a impede de viver um romance secreto com o cativante Anthony Winter. Desesperadamente apaixonados, os dois sonham uma vida juntos e planejam contar tudo sobre seu amor aos pais de Amelia… Mas só depois que ela completar dezoito anos — e for legalmente reconhecida como adulta. No entanto, a paixão do casal é exposta mais cedo do que o previsto… Eles são jovens, andam grudados aos seus celulares e postam todo tipo de informação — inclusive aquelas informações mais particulares, que só deveriam dizer respeito a eles mesmos — até que o pai de Amelia encontra fotos de Anthony, nu, no computador de sua filha. Poucas horas depois, Anthony é preso. Apesar dos protestos de Amelia, seu pai usa de todo o poder e influência entre os policiais, e entre os meios de comunicação, para transformar Anthony em um pervertido que caçava sua inocente filha. De mãos atadas, cabe aos dois apaixonados arriscar uma última saída, ousada e perigosa, e apagar a acusação de sexting que Anthony recebeu.

Amelia Wilkes é uma garota que desde cedo aprendeu a lidar com a superproteção de seus pais. Com um futuro já planejado pelo seu pai extremamente rigoroso, que inclui um casamento com um homem com boa estabilidade financeira e um emprego bem visto na sociedade, ela busca uma forma de ter sua própria liberdade. Uma liberdade que tem um destino incerto acompanhada de um romance secreto com o belo Anthony Winter.

Enquanto Amelia vem de uma família que pode desfrutar de muitos luxos, Anthony é um rapaz de dezoito anos que se destaca dos outros adolescentes por ser intenso na forma como se expressa e na maturidade que adquiriu ao ajudar sua mãe que não só o criou sozinho, mas também trabalha como professora de francês para que ele possa ter um estudo de qualidade.

Perdidamente apaixonados, Amelia e Anthony já planejam uma vida juntos, em que ambos terão a oportunidade de vivenciar seus sonhos. Porém, para que isso aconteça, Amelia precisa completar dezoito anos e ser legalmente reconhecida como adulta. Só assim os pais dela não serão capazes de impedir que eles sejam felizes. Mas o destino, como sempre, provou que alguns planos nem sempre saem como o esperado.

Quando Harlan Wilkes, pai de Amelia, acessa o computador de sua filha e encontra fotos comprometedoras de Anthony, ele decide proteger sua garota e imediatamente começa a usar sua influência para tentar convencer a todos de que ela foi vítima de um abuso. E quando se trata das leis americanas, basta uma faísca para começar não só um incêndio, mas um verdadeiro escândalo na mídia. As aparências, muitas vezes, escondem inúmeras verdades.

Com uma premissa peculiar, Esc@ndalo é o tipo de livro que faz com que o leitor queira devorar cada capítulo, conhecendo os medos dos protagonistas que tentam enfrentar os obstáculos colocados pela sociedade e pela família de Amelia para vivenciar um grande amor.

Admito que tive uma forte conexão com Amelia, pois meus pais sempre foram superprotetores em relação ao mundo. Apesar de gostar dessa proteção, que me fez muitas vezes ficar na zona de conforto, tive que conquistar minha liberdade aos poucos. Comecei a andar sozinha pela cidade aos 17 anos enquanto meus amigos já faziam isso desde os 14 anos. Não é fácil lidar com essas situações, mas quando você batalha por algo e demonstra que é capaz de enfrentar a maioria dos problemas do dia a dia, a proteção acaba se transformando em algo saudável.

O livro, que é dividido em três atos que exploram o ponto de vista de Amelia e Anthony, é inspirado em fatos reais que aconteceram com o próprio filho da autora, o que torna o romance muito mais envolvente e realista. O “sexting“, palavra muito utilizada por casais que trocam fotos íntimas por meio de celulares ou computadores que acabam, acidentalmente, indo parar em outros lugares, é um dos principais temas abordados na trama.

Therese Fowler soube dosar romance, mistério e uma pitada de drama em uma história que já é considerada o novo Romeu e Julieta do século XXI. Ela não só se preocupou em escrever um livro que agradasse os amantes de um bom romance proibido, mas levantou a interessante questão de como as pessoas passam mais tempo conectadas ao invés de aproveitarem as coisas boas que o mundo real pode oferecer.

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©

Criado por Stephanie SenGupta (Law & Order: CI) e Laurie McCarthy (Ghost Whisperer), Reign é um seriado de época que retrata a vida de Mary Stuart, rainha da Escócia que é interpretada pela atriz Adelaide Kane, durante os anos em que ela viveu na França. Jovem e ambiciosa, Mary precisa lidar com diversas questões diplomáticas para salvar seu país e seu noivado com o príncipe Francis (Toby Regbo, de The Town), que mantém uma amante e desde cedo já demonstra que está infeliz com seu futuro casamento.

Entre discussões e amores proibidos, surge Bash (Torrance Coombs, de The Tudors), meio-irmão do príncipe e filho ilegítimo do rei Henry II com sua amante Diane de Poitiers, para completar o triângulo amoroso de mais uma das séries de sucesso do canal CW.

Já faz um tempo desde que recomendei um seriado aqui no blog, mas assim que comecei acompanhar Reign, acabei ficando apaixonada não só pelo elenco com personagens encantadores, mas com a produção muito bem cuidada cheia de figurinos, maquiagens e ambientes impecáveis. Os produtores realizaram um bom trabalho ao combinar toques de modernidade com as características de época do ano de 1557.

Após o visível sucesso da série, o canal CW encomendou uma temporada completa composta por vinte e dois episódios. Infelizmente, ainda não há previsão de quando será exibida no Brasil.

Gostaram da dica? Quero ver quem vai ser #TeamBash ou #TeamFrancis :)

Imagens: Reprodução

Como vocês já devem ter percebido, não consegui atualizar o blog nos últimos dias. Estou em semana de provas finais da universidade e pretendo voltar com um conteúdo recheado de resenhas e vídeos a partir de sexta-feira (06). :)