Livro: O mundo pelos olhos de Bob
Autor: James Bowen
Número de páginas: 368
Editora: Novo Conceito

Depois de um passado difícil, James foi adotado pelo gato Bob. Agora os dois têm um emprego de verdade (são vendedores ambulantes de revistas) e se tornaram personalidades conhecidas em toda Londres. Bob tem muitos admiradores, que passam todos os dias para vê-lo – alguns deles trazem cachecóis de lã para ajudá-lo a enfrentar os dias mais gelados. Entre truques adoráveis e manhãs de puro mau humor, Bob e James se tornam cada vez mais inseparáveis. Por trás da divertida história de um homem às voltas com seu animal de estimação, o segundo livro de James Bowen fala sobre amizade, ¬ delidade e esperança. Bob se torna a chave que traz James de volta ao mundo, a motivação que faltava para sua decisiva volta por cima. Impossível terminar de ler O mundo pelos olhos de Bob sem querer abraçar seu pet – ou adotar um! Apaixone-se…

Após relatar a verdadeira realidade dos moradores de rua e sua luta contra as drogas em Um Gato de rua chamado Bob, James Bowen agora traz uma história sobre suas batalhas do dia a dia ao lado de Bob, um gato laranja que lhe deu a esperança necessária para buscar um futuro melhor.

“Ainda não sei se fui eu quem encontrou Bob ou se foi ele quem me encontrou. O que sei é que sem ele eu estaria completamente perdido.” – BOWEN, James. O mundo pelos olhos de Bob.

Publicado no Brasil pela Novo Conceito, O Mundo pelos Olhos de Bob é um livro que reflete a simplicidade e humildade de seu autor. Ao longo da leitura, senti que não estava apenas lendo mais uma história, mas como se Bowen estivesse ao meu lado, contando suas experiências, os problemas pelos quais passou e a surpresa ao descobrir o sucesso do seu primeiro livro.

“Nunca imaginei que tocaria a vida de uma pessoa, muito menos milhares delas.” – BOWEN, James. O mundo pelos olhos de Bob. (pág. 208)

A relação que há entre James e Bob é pura e verdadeira. A trama mostra a beleza e bondade que há em algumas pessoas, mas também a maldade que há em outras que não medem esforços para separar duas almas gêmeas que querem apenas sobreviver com pequenos momentos de felicidade.

“Bob tinha me ajudado a restaurar a fé em mim mesmo e no mundo ao meu redor. Ele me mostrara esperança quando eu realmente não exergava muito. Acima de tudo, ele me dera o amor incondicional de que cada um de nós precisa.” – BOWEN, James. O mundo pelos olhos de Bob. (pág. 219)

Foi interessante ver como o autor não acreditava que a primeira publicação de sua obra fosse ser um sucesso. Para ele, ia ser algo passageiro, assim como muitas coisas em sua vida. Seu único desejo é que o livro vendesse o suficiente para que ele fosse capaz de dar uma vida melhor para Bob.

“Eu não era um autor típico, não era uma personalidade pública refinada, ainda era um cara que operava à margem da sociedade. Ou, pelo menos, é como me sentia. Eu sabia que as pessoas amariam Bob, mas estava apavorado que me odiassem.” – BOWEN, James. O mundo pelos olhos de Bob. (pág. 209)

Com muitas lições de vida e capítulos que emocionam, James Bowen mais uma vez conquistou meu coração. Leitura mais do que recomendada!

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©

Livro: Cidades de Papel
Autor: John Green
Número de páginas: 368
Editora: Intrínseca

Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma. Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte. Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Sabe quando você compra um livro com a certeza de que não vai se decepcionar? No meu caso, solicitei ‘Cidades de Papel‘ com uma enorme expectativa e, claro, John Green conseguiu me surpreender com uma trama genial composta por metáforas, personagens inteligentes e reflexões sobre quem somos ou aparentamos ser dentro da sociedade.

Dividido em três partes (os fios, a relva e o navio), o livro conta a história de Quentin Jacobsen, um adolescente que desde cedo nutre uma paixão platônica por Margo Roth Spiegelman, sua colega de escola. Enquanto ela faz parte do grupo dos populares e possui inúmeras histórias sobre loucuras que cometeu na vida, ele se contenta em gastar seu tempo com os estudos e jogar vídeo game com seus melhores amigos. O que ele não esperava é que após tanto tempo, Margo fosse invadir seu quarto com a cara pintada e vestida de ninja com uma estranha proposta: fazer parte de um plano de vingança que possui uma lista com onze itens que devem ser cumpridos durante a madrugada.

Ao aceitar a proposta, Quentin vive uma noite cheia de aventuras e boas memórias com a garota dos seus sonhos. Ele percebe que há algo de muito diferente nela, como se ela não fosse completamente feliz. E assim que ele nota sua ausência na escola durante inúmeros dias, o que não é um comportamento comum, começa a buscar pistas e descobre que Margo preparou um novo desafio. Caso consiga desvendar as pistas, ele a encontrará. Mas será que ele está preparado para embarcar em mais uma grande aventura?

Cidades de Papel‘ é um livro sobre amizade e a fragilidade do ser humano em julgar coisas ou pessoas com base nas aparências. Margo, a protagonista, me fez refletir sobre diversas questões do dia a dia. Quem olha de fora, pensa que sua vida é perfeita, que ela é feliz. Mas ao longo da leitura ela traz, por meio de poemas, questionamentos sobre sua própria identidade. Para ela, o importante é viver o presente ao invés de ficar vivendo em função do futuro.

Adorei a forma como John Green trabalhou o mistério e a sequência de pistas que ele criou para desvendarmos o paradeiro de Margo ao lado de Quentin e seus amigos. A narrativa flui naturalmente e, após os primeiros capítulos, fica impossível largar o livro.

Sem sombra de dúvidas, uma leitura para fechar o ano com chave de ouro!

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©

Livro: Como salvar um vampiro apaixonado
Autora: Beth Fantaskey
Número de páginas: 272
Editora: Arqueiro – Ano de lançamento: 2010

Quando Jessica Packwood descobriu que era uma princesa vampira romena, sua pacata vida adolescente virou de pernas para o ar. Ela precisou fazer as pazes com seu passado e vencer muitos obstáculos para ficar com seu belo príncipe, Lucius Vladescu. Depois de se casarem na Romênia, agora Jessica e Lucius devem unir os clãs mais poderosos dos vampiros e estabelecer a paz de uma vez por todas. Mas primeiro ela vai ter que convencer uma nação inteira de vampiros ardilosos de que tem plenas condições de se tornar rainha. O problema é que Jessica nem mesmo consegue pedir uma refeição decente aos empregados de seu castelo, quanto mais lidar com súditos mortos-vivos malignos que adorariam vê-la fracassar. Tudo se complica ainda mais quando Lucius é acusado de assassinar um vampiro Ancião e é condenado à masmorra, onde espera pelo julgamento que pode levá-lo à morte. Jessica então se vê em apuros, lutando não só pela vida de seu amado, mas também pela própria sobrevivência em um mundo repleto de intrigas.

Após vivenciar uma relação cheia de altos e baixos em Como se livrar de um vampiro apaixonado, Jessica Packwood e Lucius Vladescu vão tem que enfrentar inúmeros obstáculos para selar a união entre os clãs mais poderosos dos vampiros. Porém, nem a maravilhosa cerimônia de casamento foi capaz de provar que Jessica está preparada para assumir seu papel como uma princesa vampira romena. Por ter vivido cercada de amor, ela não imaginava que seria tão difícil se adaptar aos novos costumes do seu povo, que possuem uma complexa história de traições e batalhas pelo poder.

Para se tornar uma governante, Jessica decide seguir os passos de Mihaela, sua mãe biológica, que era conhecida por ser forte e determinada, enfrentando qualquer desafio imposto pelo destino. Mas quando ela finalmente começa a acreditar que é capaz de lidar com os novos desafios para conquistar a confiança dos anciãos, Claudiu Vladescu é encontrado morto no mesmo dia que é ameaçado por Lucius ao defender sua amada. Como se isso não bastasse, Lucius não faz ideia de como o sangue de seu tio foi parar em sua estaca.

Segundo a principal lei dos vampiros, destruição é punida com destruição. Alguém está tentando incriminar Lucius e por conta de todas as provas, Jessica teve que assumir seu papel como Antanasia, futura rainha do seu povo, e mandou seu marido para a prisão durante as investigações. Pela primeira vez, ela está determinada a punir o responsável pelo assassinato do vampiro e mostrar que é capaz de sobreviver no mundo da realeza. O que ela não esperava é que fosse confiar nas pessoas erradas…

Como salvar um vampiro apaixonado é um livro intenso, profundo e romântico. A narrativa me fez vivenciar os sentimentos de cada personagem diante de uma corrida contra o tempo para provar a inocência de Lucius, um protagonista que não tem medo de se sacrificar em nome do amor. Beth Fantaskey sabe como criar situações complexas e cenas de ação que tornam impossível dar uma pausa na leitura.

O único ponto negativo é que achei que a autora pecou um pouco no amadurecimento de Jessica. Apesar de ser tudo desconhecido para ela, creio que não era necessário exagerar tanto no drama para mostrar que Antanasia Dragomir estava preparada para liderar a realeza. Por outro lado, Mindy, melhor amiga da princesa, ganha destaque na trama ao lado de Raniero, primo de Lucius.

Leitura obrigatória para quem é fã de suspense, romance e muita ação!

Dica: A Arqueiro disponibilizou em seu site o Spin off do casamento de Jessica e Lucius, que ocorre entre o primeiro e o segundo livro.

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©

Livro: Como se livrar de um vampiro apaixonado
Autora: Beth Fantaskey
Número de páginas:  304
Editora: Sextante – Ano de lançamento: 2010

Casar-se com um vampiro certamente não estava nos planos de Jessica Packwood para seu último ano escolar. Mas quando um novo aluno esquisitão (e muito gato) chamado Lucius Vladescu aparece do nada, dizendo que Jessica pertence à realeza vampírica e está prometida em casamento a ele, futuro líder do clã mais poderoso dos vampiros, ela é obrigada a rever seus conceitos. Se a garota ainda nem beijou na boca, como pode sequer pensar em um compromisso eterno? Armada com uma autoconfiança recém-adquirida, Jessica passa por uma transformação drástica de adolescente nerd americana para princesa vampira europeia nessa sátira cheia de reviravoltas e surpresas.

Publicado no Brasil pela Sextante, Como se livrar de um vampiro apaixonado, de Beth Fantaskey, conseguiu me surpreender em diversos aspectos. Assim como alguns leitores, tinha absoluta certeza que encontraria mais um romance clichê entre uma adolescente e um vampiro. Porém, acabei de deparando com uma história muito interessante sobre o valor do amor diante de uma complexa batalha pelo poder.

Jessica Packwood é uma garota que vive no interior da Pensilvânia e está se preparando para enfrentar seu último ano do colégio. Tudo que ela deseja é dar seu primeiro beijo e ganhar o campeonato de matemática. Pelo menos era isso que ela pensava até conhecer Lucius Vladescu, um jovem europeu que insiste em convencê-la de que eles foram prometidos um ao outro antes de nascerem e, por isso, estão noivos. Segundo ele, o casamento vai ser primordial para selar a paz entre os dois maiores clãs de vampiros, os Vladescu e os Dragomir.

Inicialmente, Jess não acredita na história do estranho que não só passou a vigiá-la em todos os lugares, como agora também está hospedado em sua casa. Porém, ele sabe de coisas que ninguém deveria saber, como a trágica história do seu passado, quando ela se chamava Antanasia Dragomir e, ao perder os pais biológicos, foi adotada por um casal de antropólogos. Quando ela finalmente percebe que o sexy e misterioso Lucius pode estar dizendo a verdade, ele para de cortejá-la e começa um relacionamento com Faith, uma esnobe líder de torcida.

Até que ponto é possível enganar a intensa ligação que há entre eles?

Com uma narrativa simples, cheia de cenas divertidas combinadas com um leve romance, Como se livrar de um vampiro apaixonado é um daqueles livros que não dá para largar enquanto você não virar a última página. Beth Fantaskey fugiu do padrão dos romances sobrenaturais e conseguiu criar uma história com personagens carismáticos que vão conquistando o leitor ao longo da leitura.

Por revelar muito pouco do seu passado, Lucius é um protagonista que instigou minha curiosidade logo nas primeiras páginas. O melhor é poder conhecê-lo aos poucos por meios dos capítulos com cartas que ele escreve para seu tio Vasile. E prepare seu coração, pois o desfecho é algo totalmente inesperado! A continuação, Como salvar um vampiro apaixonado, já foi publicada no Brasil.

Leitura super recomendada!

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©