Livro: Pecado Sombrio – Série Os Cárpatos – 03
Autora: Christine Feehan
Número de páginas: 408
Editora: Universo dos Livros – Ano de lançamento: 2013

Alexandria Houton e seu irmãozinho órfão se deparam com um terrível mal em meio às brumas da agitada San Francisco, até que surge Aidan Savage, um ser dourado saído das sombras, mais sexy e misterioso que qualquer outra criatura da noite. É ele, um Cárpato macho e centenário, quem os arranca do destino medonho que os aguardava. Mas seria Aidan um milagre… ou um monstro? Alexandria se vê tomada por uma paixão avassaladora, capaz de desafiá-la a explorar um lado desconhecido, extremamente sensual – e perigoso. O que ele oferece parece seguro, sedutor e prazeroso… Se ela se render ao desejo selvagem de Aidan e lhe der a luz pela qual ele tanto anseia seria realmente possível que ele salvasse o seu irmão?

Publicado no Brasil pela Universo dos Livros, Pecado Sombrio é o terceiro livro da série Os Cárpatos, de Christine Feehan, e traz a história de Aidan Savage, um Cárpato que vive longe de sua terra natal e para não ser tomado pela escuridão de uma eternidade sem uma companheira, caça vampiros que causam mortes e destruição por onde passam.

Em uma de suas caçadas, Aidan salva a vida de Alexandria Houton, uma mulher que desde cedo batalhou contra os obstáculos da vida para dar um futuro decente ao seu pequeno irmão após o falecimento dos seus pais, ao ser sequestrada pelo sombrio vampiro Dourado. Ele percebe que a jovem mulher é a companheira que tanto procurava, a luz necessária para afastar a escuridão que ameaçava tomar conta do seu coração há tanto tempo. Mas será que ela está preparada para enfrentar um mundo perigoso e completamente desconhecido?

Com personagens bem construídos e uma trama que mistura cenas de muita ação, suspense e romance, Pecado Sombrio segue a mesma linha dos volumes anteriores da série. Apesar de não possuir uma narrativa tão envolvente e uma protagonista que insiste em apenas ver um lado de todas as situações, o livro cumpre o que promete. Sem mais, sem menos.

Por outro lado, Ainda Savage é um protagonista forte e destemido que me conquistou durante a leitura. Ao mesmo tempo que ele quer somente dar ordens e controlar todos ao seu redor, ele também demonstra um lado sexy e carismático que vai se desenvolvendo ao longo dos capítulos.

Fica a recomendação para quem é fã de romances com seres sobrenaturais!

Confira a resenha do primeiro livro: Príncipe Sombrio
Confira a resenha do segundo livro: Desejo Sombrio

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©

Livro: Quando Ela Acordou
Autora: Hillary Jordan
Número de páginas: 434
Editora: Bertrand Brasil – Ano de lançamento: 2013

Quando ela acordou é uma fábula oportuna sobre uma mulher estigmatizada que luta para navegar na América de um futuro não tão distante, em que a fronteira entre igreja e Estado foi extirpada e os criminosos condenados não são mais presos e reabilitados, mas cromados e novamente soltos no meio da população, para sobreviverem como puderem. O livro apresenta uma metáfora, por exemplo, dos judeus europeus durante o domínio nazista ou dos negros americanos na década de 60. A transformação de um ser humano – ou transfiguração, como utilizado no livro – é um tema importante tratado por Hillary Jordan na história. As dificuldades que surgem ao longo desse processo fazem com que, segundo a autora, as pessoas enfrentem o desconhecido, a vida, com mais coragem. Uma mistura de temas polêmicos, como a separação entre religião e Estado, aborto e justiça com uma história cativante e uma heroína fantástica.

Publicado pela Bertrand Brasil, Quando Ela Acordou é o livro de estreia de Hillary Jordan no Brasil que apresenta ao seu leitor uma fantástica trama distópica em que Governo e Religião andam juntos e criminosos recebem uma nova forma de punição, que vai além de uma simples prisão. Após o julgamento, cada condenado tem sua cor de pele geneticamente alterada por um vírus. As cores variam de Roxo, Azul, Vermelho ou Amarelo, de acordo com a intensidade do crime.

Hannah Payne sempre foi uma garota devotada à sua família. Criada para ser uma excelente esposa, respeitando os preceitos de sua religião, ela nunca teve a oportunidade de frequentar uma faculdade. Dividindo seu tempo entre seu trabalho como costureira de vestidos de noiva, atos de caridade e missas da Igreja, Hannah agia conforme as regras e mantinha-se longe da perdição. Porém, ela vê sua vida perder sentido quando se apaixona pelo Reverendo Dale, pastor de sua igreja que inspira milhares de fiéis ao redor do mundo, e vê que ele, mesmo casado, retribui o sentimento.

O que deveria ser apenas um caso, acaba se tornando algo muito maior. Quando Hannah engravida e percebe que não será capaz de acabar com o casamento de um dos casais mais admirados pela sua religião, ela decide fazer um aborto, o único meio de proteger a reputação de todos. Entretanto, uma denúncia anônima leva a polícia ao local em que Hannah realizou o ato e em tempos que o aborto é considerado um crime abominável pela lei, ela é presa e condenada a viver como uma vermelha durante dezesseis anos, lidando com o desprezo e vergonha de ser uma cromada, indivíduos que possuem a pele como uma tonalidade diferente.

Entre inúmeros obstáculos, punições e preconceitos, Hannah conhecerá um mundo completamente novo e, pela primeira vez, questionará a existência de Deus.

De todas as distopias que já li, Quando Ela Acordou é uma das mais envolventes! Perdi a conta de quantas vezes dei uma pausa na leitura apenas para respirar fundo e refletir sobre diversos questionamentos da protagonista a cada situação que ela vivenciava para conseguir sobreviver. A autora me fez imaginar como seria o mundo se os criminosos fossem cromados de acordo com o crime e vivessem soltos, mas lidando com a indiferença da sociedade e os constantes julgamentos baseados na religião.

Recomendo a leitura para todos os leitores, principalmente para quem gosta de uma história séria e nem um pouco superficial. Dividido em cinco partes, o livro traz questionamentos sobre a religião e críticas à sociedade.

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©

Livro: Olho por Olho
Autoras: Jenny Han e Siobhan Vivian
Número de páginas: 320
Editora: Novo Conceito – Ano de lançamento: 2013

Alguma vez você já quis realmente se vingar de alguém que a ofendeu? Talvez uma ex-amiga que a apunhalou pelas costas, ou um namorado traidor, ou um estúpido da escola que a humilhou desde que você era pequena… Alguma vez você já sonhou em envergonhá-lo na frente de todos? E, então, alguma vez você se uniu com outras duas pessoas para criar um elaborado esquema de destruição e revanche? A maior parte de nós não pode dizer que sim a todas essas perguntas (felizmente). Mas, certamente, todos nós somos capazes de nos identificar com muitos dos sentimentos de Kat, Lillia e Mary em Olho por Olho… No entanto, de um exercício de malícia, de uma simples brincadeira adolescente, o jogo do “aqui se faz, aqui se paga” poderá assumir proporções trágicas, em que até mesmo as leis da natureza vão se dispor, misteriosamente, a acalmar os corações ofendidos.

Olho por Olho é o primeiro livro de uma trilogia escrita pelas autoras Jenny Han e Siobhan Vivian que conta a história de Lillia, Mary e Kat, três garotas diferentes que acabam se conhecendo por terem um mesmo objetivo: criar um plano de vigança contra as pessoas que lhe fizeram mal no passado.

Com poucos amigos e convivendo com a indiferença de suas ex-melhores amigas, Kat é humilhada na escola e constantemente sofre bullying dos seus colegas. Apesar de ser rica e fazer parte do grupo dos populares, Lillia quer se vingar do garoto que se envolveu com sua irmã mais nova. Já Mary, por outro lado, apenas busca uma forma de fazer com que o garoto que a fez sofrer tanto veja como ela mudou.

Três adolescentes unidas por um objetivo. Até que ponto elas irão pela vingança?

Quando li a premissa deste livro, imaginava uma história bem intensa e planos de vingança no estilo do seriado americano Pretty Little Liars. Infelizmente, a trama é bem superficial e não é possível perceber o desenvolvimento dos personagens ao longo dos capítulos, que alternam os pontos de vista de cada protagonista. A narrativa é simples e não faz com que o leitor reflita sobre os acontecimentos. Tudo é muito direto, sem muito blá blá blá.

Gostei da forma como as autoras trabalharam a questão do bullying, sexo, primeiro amor, a indecisão na escolha da profissão e os valores de amizade, apesar de são se aprofundarem muito nos assuntos. Os planos de vingança, por outro lado, não cumprem o que prometem.

Esse é o tipo de leitura para descontrair e uma boa pedida para quem gosta de uma trama leve com a dosagem certa de suspense e diversão.

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©

Livro: Os Adoráveis
Autora: Sarra Manning
Número de páginas: 288
Editora: Novo Conceito – Ano de lançamento: 2013

Jeane é blogueira. Seu blog, o Adorkable, é um blog de estilo de vida — na verdade, o estilo de vida dela — e já ganhou até prêmios na categoria “Melhor Blog sobre Estilo de Vida” pelo e Guardian e um Bloggie Award. Adora balas Haribo, moda (a que ela cria, comprando em brechós) e colorir (ou descolorir totalmente) os cabelos. Cheia de personalidade e meio volúvel, ainda assim Jeane é bacana — mesmo nos momentos em que se transforma numa insuportável. Mas, certamente, ela não olharia duas vezes para Michael. Porque Michael é o oposto de Jeane. Ele é o tipo de cara que namoraria a garota mais bonita da escola. E compra suas roupas na Hollister, na Jack Wills e na Abercrombie. Além disso, diferente de Jeane, que é autossuficiente, Michael é completamente dependente do pai, o Clínico Geral que condena açúcar, e ainda permite que sua mãe compre suas roupas! (Embora, para Jeane, o pior mesmo sobre Michael é que ele baixa música da internet e nunca paga por isso). Jeane e Michael têm pouco em comum, além de algumas aulas e uma maçante dupla de “ex” — Scarlett e Barney. Mas, apesar disso, eles não conseguem se desgrudar desde que ¬ ficaram pela primeira vez.

Publicado no Brasil pela Editora Novo Conceito, “Os Adoráveis”, da escritora Sarra Manning, conta a história da famosa blogueira Jeane Smith, do blog Adorkable, que conquistou diversos prêmios por expor um estilo de vida bem diferente do que as pessoas estão acostumadas e que tem como objetivo expressar a personalidade de uma garota que não tem medo de ousar quando se trata de moda.

Por passar tanto tempo conectada nas redes sociais, principalmente no Twitter, Jeane não percebe que se tornou uma adolescente egoísta que machuca outras pessoas, algumas vezes até seus amigos e familiares, por conta de seu comportamento. Mas é só quando ela conhece Michael Lee que sua vida vira de ponta de cabeça e ela passa a questionar sua própria identidade.

Michael é o garoto popular da escola que aparentemente sempre teve tudo na vida: os melhores amigos, uma vida cheia de luxo e uma namorada perfeita. Sara o odeia, principalmente pelo fato dele tentar fazer com que ela seja diferente e amável com as pessoas ao seu redor. Entre encontros e desencontros, Jeane vai descobrir que por trás das aparências, Michael também esconde problemas como qualquer outro adolescente. Será que inúmeras discussões podem resultar no surgimento de um sentimento desconhecido por ambos?

Sarra Manning tem uma escrita leve, envolvente e tão agradável quanto a autora Stephanie Perkins, de Anna e o Beijo Francês e Lola e o garoto da casa ao lado. Apesar de não me sentir envolvida com o romance dos protagonistas e achar que alguns capítulos foram desnecessários na trama, a autora conseguiu construir uma história que aborda a importância que as pessoas dão para a vida online e como a convivência e interatividade no dia a dia está ficando cada vez mais em segundo plano.

Fica a recomendação para quem quer se aventurar em um livro divertido!

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©