Livro: Butterfly
Autora: Kathryn Harvey
Número de páginas: 424
Editora: Universo dos Livros – Ano de lançamento: 2012

No andar de cima de uma loja exclusivamente masculina na Rodeo Drive existe um clube privado chamado Butterfly, um espaço em que as mulheres são livres para expressar suas fantasias eróticas mais secretas. Somente as mulheres mais belas e poderosas de Beverly Hills são convidadas a entrar: Jessica, uma advogada que suspira pela época em que os homens eram machos e as mulheres satisfaziam seus prazeres; Trudie, uma construtora que quer um homem que a desafie, em todos os sentidos e sem tabus; e Linda, uma cirurgiã que usa máscaras para desmascarar os desejos que esconde até de si mesma. Contudo, a mais misteriosa de todas as mulheres é a que criou o Butterfly. Ela mudou o nome, o sotaque, até mesmo o rosto para esconder sua verdadeira identidade. E agora está prestes a revelar seu passado para concretizar a obsessão secreta que a levará além do êxtase…

Barbara Wood teve diversos empregos antes de se aventurar no mundo dos escritores em 1976. Adotando o pseudônimo de Kathryn Harvey, a autora lançou o primeiro livro da trilogia Butterfly, publicado em 1988, que seria responsável pelo início de sua carreira de sucesso. Atualmente, ela possui vinte e dois livros escritos que foram traduzidos para mais de trinta idiomas.

Butterfly foi lançado no Brasil, pela editora Universo dos Livros, devido ao grande sucesso que os livros com temas eróticos andam fazendo após a trilogia de Cinquenta Tons de Cinza ter conquistado grande destaque entre os leitores ao redor do mundo. Com a nova onda de romances eróticos, as editoras brasileiras passaram a apostar em diversas obras desse gênero, o que faz com que o assunto seja repetitivo em muitas tramas. Mas, como dizem, uma boa história se destaca das demais pelo seu diferencial. E foi isso que eu encontrei no primeiro livro de uma trilogia que promete fortes emoções a cada página lida.

A trama irá apresentar ao leitor a história de oito mulheres – Beverly, Maggie, Carmem, Trudie, Alexis, Linda, Jéssica e Rachel – com vidas e personalidades bem diferentes. Porém, todas possuem uma ligação com o famoso clube exclusivo para mulheres, o Butterfly, que tem uma política que se destaca dos outros lugares. Além de toda a discrição das associadas, as fantasias femininas se tornam realidade. Todas são tratadas com amor e respeito pelos seus companheiros que são solicitados no próprio local.

Não pense que a trama é especificamente erótica, em que um grupo de mulheres frustradas sexualmente decide realizar as suas fantasias dentro de um clube privado. Por ser ambientado na década de 80, a autora utilizou o assassinato de John F. Kennedy, 35° presidente dos Estados Unidos, e a ascensão das igrejas para enriquecer o conteúdo do livro e criar mistérios que buscariam atingir o instinto primitivo do leitor curioso que sente prazer ao desvendar um segredo tão bem guardado pelos personagens.

Pretendo não revelar mais nada sobre uma narrativa que foi bem construída e que impressiona em diversos momentos. É genial, e não há outra palavra para descrever, a forma como histórias paralelas foram ligadas no decorrer dos capítulos. Tudo é muito complexo, mas ao mesmo tempo tratado de forma simples e objetiva. Creio que não consiga encontrar um meio de transmitir a surpresa que tive ao me deparar com uma obra que me mostrou como é errado julgar tudo só por um ponto de vista, que no meu caso foi o preconceito por livros eróticos que se baseiam no enredo de E. L. James.

Uma super recomendação para quem sente que está preparado(a) para encarar uma história fascinante sobre como determinados atos podem mudar a vida de muitas pessoas.

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©