Livro: O Lado Bom da Vida
Autor: Matthew Quick
Número de páginas: 256 – ISBN: 9788580572773
Editora: Intrínseca – Ano de lançamento: 2013

Pat Peoples, um ex-professor de história na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um “tempo separados”. Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, sua esposa negando-se a aceitar revê-lo e seus amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora um viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. À medida que seu passado aos poucos ressurge em sua memória, Pat começa a entender que “é melhor ser gentil que ter razão” e faz dessa convicção sua meta. Tendo a seu lado o excêntrico (mas competente) psiquiatra Dr. Patel e Tiffany, a irmã viúva de seu melhor amigo, Pat descobrirá que nem todos os finais são felizes, mas que sempre vale a pena tentar mais uma vez. Um livro comovente sobre um homem que acredita na felicidade, no amor e na esperança.

Você já imaginou se fosse possível fazer da sua vida um filme – cheio de altos e baixos com um final feliz? Impossível? Não para Pat Peoples – o homem que já enfrentou as piores coisas da vida e continua acreditando que há um lado bom para tudo. Ele viveu por algum tempo – não sabe afirmar se foram meses ou anos – em um hospital psiquiátrico. Como ele foi parar lá? Bom, isso é um mistério. A única pessoa que Pat consegue descrever com perfeição é Nikki, a esposa que ele acredita ter decepcionado. Ele não se lembra do passado ou das coisas que vivenciou antes de entrar no “lugar ruim” – o hospital psiquiátrico. Sua mãe decide que ele já está preparado para voltar a viver em sua antiga casa – morando com os seus pais – e tentar recomeçar a vida. Mas será que ele está preparado para novas mudanças?

Quando Pat tenta reconstruir a sua vida e adaptá-la a sua nova rotina – que se resume em exercícios durante grande parte do dia e torcer pelo seu time no campeonato – ele conta as horas para que possa reencontrar a sua esposa após o chamado “tempo separados”. Ele quer ser digno dela, tornando-se um homem gentil, naturalista, fã de literatura e com muitos músculos. Porém, é difícil compreender o motivo de todos ao seu redor evitarem falar qualquer coisa sobre a sua amada, sempre agindo como se ela tivesse feito algo terrível no passado. Seus amigos e familiares passam a comentar sobre outras garotas e – em um encontro inesperado – ele conhece Tiffany – uma garota que também enfrentou muitos problemas após o falecimento do marido e quer recomeçar a vida. Porém, ela não acredita que a vida seja um filme com um final feliz e não sente nenhum remorso ao demonstrar sinceridade sobre qualquer assunto.

Duas pessoas que vivenciaram as piores coisas da vida. Uma acredita que para tudo há um lado bom. A outra prefere ser realista sobre tudo, sem se importar se irá ou não ferir o sentimento de alguém. Eles serão capazes de superar os traumas do passado? Até que ponto é saudável ter esperança?

Matthew Quick – definitivamente – entrou na minha lista de autores favoritos. Inicialmente, fiquei confusa com a narrativa que começa a partir do momento que o protagonista deixa o hospital psiquiátrico. Não há nenhuma revelação de como ele foi parar lá e nenhum outro personagem comenta sobre o mistério. Há apenas algumas pistas sobre o que pode ter ocorrido e isso fez com que o meu lado investigador ficasse ansioso para desvendar o passado de Pat. É claro que – como bom autor – Matthew deixou o melhor para o desfecho da trama que – sendo sincera – foi sensacional.

O livro possui tantos pontos positivos que fica difícil selecionar apenas alguns para comentar na resenha. O que levou a trama a ser tão diferente ao ponto de cativar leitores ao redor do mundo? Os personagens realistas substituindo os inúmeros idealizados dos livros atuais. Pat e Tiffany podem ser comparados com muitas pessoas da sociedade em que vivemos. Com qualidades e defeitos, eles mostram que a vida pode ser justa ou injusta, mas que você é o único responsável pelo o seu final.

Com capítulos pequenos, mas que devem ser lidos com calma e atenção, O Lado Bom da Vida prova que uma trama realista é capaz de conquistar o seu leitor, mostrando que sempre haverá um lado bom e outro ruim. Como prova, o próprio autor faz com que o seu protagonista reflita sobre diversas obras de autores de grandes clássicos da literatura, principalmente sobre alguns livros que não possuem um final feliz.

Recomendo o livro para quem quer conferir uma trama que foge de situações idealizadas e presenteia o seu leitor com capítulos surpreendentes, cheios de personagens que batalham para encontrar a sua própria felicidade. Afinal, desistir nem sempre será a última opção…

Resenha escrita por Bianca Branco – hellostar.org ©